Foto por Charles Porter, Flickr, Licença Creative Commons

Foto por Charles Porter, Flickr, Licença Creative Commons

Você é mãe de uma menina? Sua filha usa maquiagem? Pinta as unhas com esmalte?

A discussão a respeito do uso de maquiagem e esmalte por meninas costuma, quando muito, focar na idade ideal para que elas comecem a usar esses produtos e na questão da erotização infantil. Em outras palavras, depois de certa idade, os pais costumam deixar que suas filhas usem maquiagem e pintem as unhas. Uns deixam mais cedo, outros deixam mais tarde.

Talvez por desconhecimento, quase ninguém considera uma outra questão quando autoriza o uso de maquiagem e esmalte pelas filhas pequenas: muitos desses produtos contêm substâncias tóxicas.

Muitos produtos cosméticos contêm metais pesados reconhecidamente tóxicos ao organismo do ser humano. Os metais costumam ser impuridades indesejadas, substâncias sem função específica, que acabam entrando na composição de cosméticos através, por exemplo, de contaminação ambiental de alguns ingredientes.

Uma categoria de cosméticos que frequentemente apresenta problemas é a de produtos labiais. Pesquisas têm mostrado a presença de chumbo em inúmeras marcas de batons e outros itens de maquiagem para os lábios, das mais baratas às mais caras. Segundo um estudo da ONG canadense Environmental Defense, um gloss labial da marca Benefit, por exemplo, contém 110ppm (partes por milhão), 10 vezes mais que o limite estabelecido pelo Departamento de Saúde do Canadá. O chumbo é uma neurotoxina bastante conhecida. É nocivo ao ser humano, sendo que grávidas e crianças são os grupos mais vulneráveis.

Apesar de os cosméticos não conterem quantidades suficientes de metais para causarem reações agudas, pouco se sabe quanto às consequências da exposição regular e prolongada. Metais pesados se acumulam no organismo, podendo causar uma série de problemas de saúde, então a recomendação dos pesquisadores é usar os cosméticos com cautela.

Quando se trata do uso de batons por crianças, no entanto, não podemos esquecer de um problema adicional, pelo qual optei por dar ênfase a produtos labiais neste texto: crianças frequentemente ingerem batom, o que aumenta consideravelmente a quantidade de metais no organismo.

O caso dos esmaltes de unha é também bastante problemático. Fazer as unhas no salão de beleza é um hábito tão enraizado na cultura brasileira que é comum encontrar meninas bem pequenas já fascinadas pelo ritual seguido pela mãe ou outras mulheres da família.

Há alguns anos, houve uma reviravolta no mercado. Empresas lançaram produtos livres de três substâncias comprovadamente tóxicas, que ficaram conhecidas como o ‘trio tóxico’:o formaldeído, normalmente usado para aumentar a aderência, o brilho e a durabilidade do esmalte, o tolueno, um solvente usado para uniformizar o esmalte e o dibutyl phthalate (DBP), agente químico que dá flexibilidade à película que se forma sobre a unha. O formaldeído é substância reconhecidamente cancerígena, o tolueno é nocivo ao sistema nervoso e o DBP já foi associado a cânceres e malformações congenitas.

Os esmaltes livres do ‘trio tóxico’ vêm sendo comercializados com dizeres explícitos sobre a novidade na embalagem (no Brasil, a embalagem vem com os dizeres ‘sem tolueno’ ou ‘sem formaldeído’ ou, até mesmo, com a expressão em inglês ‘3 free’).

Uma pesquisa do Departamento de Controle de Substâncias Tóxicas da Califórnia revelou, no entanto, que não podemos confiar no que as empresas alegam. Muitos dos produtos testados na pesquisa continham substâncias que as empresas alegaram ter retirado da fórmula.

Além disso, mesmo que as alegações das empresas fossem sempre genuínas, nada garante que outras substâncias da composição de esmaltes não sejam tóxicas.

À esquerda, embalagem de esmalte que ainda usa tolueno. À direita, embalagem de marca que supostamente retirou o tolueno e o formaldeído do produto. Será mesmo? Crédito: Eco Maternidade

À esquerda, embalagem de esmalte que ainda usa tolueno. À direita, embalagem de marca que supostamente retirou o tolueno e o formaldeído do produto. Será mesmo? Crédito: Eco Maternidade

Se até a indústria de esmaltes reconhece que pelo menos parte das substâncias presentes em seus produtos é tóxica o suficiente para ser retirada de produtos usados por adultos, por serem absorvidos pela pele e inalados pelo sistema respiratório, quais seriam as consequências do uso frequente por meninas, especialmente as ainda bem pequenas que ainda colocam a mão na boca ou roem as unhas tempo todo?

Vale lembrar que, além dos potenciais problemas para a saúde mencionados acima, ainda há outras questões associadas a esses setores da indústria de cosméticos: quais serão os efeitos da exposição prolongada ao cheiro de esmaltes na vida das manicures que passam incontáveis horas nos salões de beleza? E qual será o impacto no meio ambiente em decorrência da fabricação de produtos tão tóxicos?

Se você, mesmo assim, não abre mão de maquiagem ou esmaltes para você ou sua filha, procure opções verdadeiramente menos nocivas. Existem pequenas empresas buscando alternativas mais seguras. A base de dados de cosméticos da ONG norte-americana Environmental Working Group é um excelente ponto de partida.

REFERÊNCIAS E MAIS INFORMAÇÃO:

http://www.amazon.com/Not-Just-Pretty-Face-Industry/dp/0865715742

http://environmentaldefence.ca/reports/heavy-metal-hazard-health-risks-hidden-heavy-metals-in-face-makeup

http://safecosmetics.org/article.php?id=831

http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/2013/09/1338326-nivel-de-metais-em-batom-e-maior-do-que-se-pensava.shtml

http://delas.ig.com.br/beleza/maquiagem/2013-08-23/alem-do-chumbo-estudo-revela-mais-metais-toxicos-em-batons-e-brilhos-labiais.html

http://www.motherjones.com/environment/2013/05/study-lead-metals-lipstick-top-20

http://www.ewg.org/skindeep/2007/02/04/impurities-of-concern-in-personal-care-products/

http://www.huffingtonpost.com/2013/05/02/toxic-lipstick-metals_n_3195547.html

http://well.blogs.nytimes.com/2013/08/16/is-there-danger-lurking-in-your-lipstick/?_php=true&_type=blogs&_php=true&_type=blogs&_php=true&_type=blogs&_r=2

http://www.eco21.com.br/textos/textos.asp?ID=215

http://www.takepart.com/article/2013/08/22/what-the-hell-is-in-my-nail-polish

http://well.blogs.nytimes.com/2014/01/02/ask-well-is-nail-polish-harmful/?_php=true&_type=blogs&_r=0

http://www.dtsc.ca.gov/PollutionPrevention/upload/NailSalon_Final.pdf