Foto por Hammonton Photography, Flickr, Licença Creative Commons

Foto por Hammonton Photography, Flickr, Licença Creative Commons

“Mamãe, vamos ao parque hoje?”, pergunta Pedro.

“Filho, choveu muito ontem à noite e durante a madrugada. O parque vai estar todo molhado e cheio de lama, então não dá para ir”, responde a mãe.

Se você já vivenciou a situação acima ou alguma outra parecida, deixo aqui um convite para que você reveja seus conceitos, abandone os sabonetes bactericidas e organize uma ida ao parque logo depois da próxima chuva na sua cidade.

Todo mundo sabe que criança adora brincar na lama e se sujar enquanto brinca. Os pequenos não podem ver uma poça de lama que saem correndo para pular ou explorar com as mãos. É a maior diversão!

Mas tudo indica que, ao brincar na lama, seu filho está fazendo muito mais do que se divertir.

A atração que crianças têm por ‘sujeira’, inclusive sujeira molhada, seria decorrente de milhões de anos de evolução da nossa espécie e fundamental para o desenvolvimento do sistema imunológico.

É isso mesmo que você leu. O único problema de se sujar durante a brincadeira seriam as roupas sujas para lavar depois. A atividade em si faz bem à saúde!

É como se o nosso sistema imunológico fosse um músculo que precisa se exercitar para se desenvolver e se fortalecer e assim ficar forte e resistente a doenças. O contato com sujeira (e germes) durante a primeira infância seria um ótimo treinamento para o sistema imunológico.

A exposição a germes ajudaria, por exemplo, na prevenção de alergias futuras.

Bactérias na pele também teriam um papel importante no combate à inflamação quando nos machucamos. Em outras palavras, ser limpinho demais atrapalharia a capacidade da pele de se curar.

Sujar-se durante a brincadeira também ajudaria a melhorar o humor. Estudos recentes sugerem que a bactéria Mycobacterium vaccae aumentaria os níveis de serotinina no cérebro, nos ajudando a relaxar. Como a falta de serotonina no cérebro parece estar relacionada à depressão, a exposição a bacterias não só ajudaria a aumentar a imunidade das crianças, como também ajudaria a reduzir a vulnerabilidade a depressão.

Meu filho brincando na lama! Crédito: Nina Mukanova/Eco Maternidade

Meu filho brincando na lama! Crédito: Nina Mukanova/Eco Maternidade

Com inúmeras possibilidades de transformação, a lama é um excelente material para estimular a criatividade e a imaginação, duas capacidades difíceis de serem ativadas mais tarde na vida. Brincar na lama é uma atividade perfeita para o cérebro em desenvolvimento e agrada a crianças de várias idades: para os menores, é uma atividade sensorial maravilhosa. Já as crianças um pouco maiores fazem tijolos de lama, tortas de lama ou outras criações.

Brincar na lama é também uma ótima maneira de nossos filhos se aproximarem da natureza e estabelecerem uma conexão com o mundo natural. E isso é fundamental diante dos problemas ambientais que as próximas gerações terão que enfrentar. Brincar na lama regularmente é, muito provavelmente, mais eficaz do que uma aula sobre mudança climática na escola. Afinal, é muito difícil cuidar de algo que não conhecemos bem.

É claro que ninguém deve dar colheradas de lama na boca do filho ☺ Além disso, é crucial verificar que o terreno onde a criança brinca não é contaminado, isto é, nunca foi ocupado por posto de gasolina ou por indústria poluente e possui sistema adequado de esgoto.

REFERÊNCIAS E MAIS INFORMAÇÃO:

http://www.natureplayqld.org.au/article/why-playing-in-the-mud-is-more-than-just-fun

http://www.telegraph.co.uk/news/health/news/6630394/Children-should-be-allowed-to-play-in-the-dirt-new-research-suggests.html

http://www.livescience.com/7270-depressed-play-dirt.html

http://theunboundedspirit.com/dirt-is-not-dirty-how-playing-in-the-dirt-benefits-the-immune-system/

http://saudeinfantil.blog.br/2011/05/sujeira-durante-brincadeira-e-benefica-a-saude/