Foto por Jay & Meg Rishel, Flickr, Licença Creative Commons

Foto por Jay & Meg Rishel, Flickr, Licença Creative Commons

O post de hoje é o quinto e último da série sobre alimentação infantil baseada nas ideias da terapeuta ocupacional Alisha Grogan. Alisha mantém o site Your Kid’s Table, com dicas preciosas para maximizar as chances de uma experiência bem-sucedida na hora da refeição.

Dica #5: Coma junto com seu filho

Alisha Grogan recomenda que pais comam junto com seus filhos, inclusive os bebês. Nem sempre é possível conciliar os horários da família, mas vale muito a pena se esforçar para que as refeições sejam feitas em família desde o início da introdução alimentar.

A criança que come em outro horário perde as oportunidades de socialização que as refeições em família oferecem. Além disso, ao colocar seu filho para comer antes do resto da família, você está abrindo mão de uma ferramenta muito poderosa na introdução alimentar, a ferramenta do exemplo. Quem convive com criança pequena sabe que elas adoram imitar os adultos e que observam tudo que fazemos. Mas muita gente esquece que isso também se aplica à alimentação.

Portanto, tente fazer um esforço para incluir seu filho nas refeições junto com outros membros da casa. Se for realmente impossível implementar refeições com a família completa na rotina da casa, tente, pelo menos, sentar com seu filho à mesa e comer um pouco junto com ele, mesmo que não seja ainda a hora do seu almoço ou jantar. Assim, as refeições de seu filho ganham um componente social muito importante. Afinal, comer em companhia parece ser um hábito presente na nossa espécie há muito tempo. Por que uma criança pequena haveria de comer sem companhia?

E, obviamente, coma somente alimentos saudáveis na frente do pequeno. Se você quer que ele coma brócolis, vagem e couve-flor, mas você nunca come esses alimentos, em quem seu filho se espelhará? Outra coisa: não é justo comer batata frita, biscoito e tomar refrigerante na frente de uma criança pequena e esperar que ela não se interesse em experimentar.

———————————————————————————————————————————

Caso seu filho não seja mais um bebê prestes a começar a introdução alimentar, não pense que é tarde demais. O objetivo da terapeuta Alisha Grogan em discutir esses erros comuns — e a minha intenção em divulgar suas ideias – é oferecer informação que ajude pais a fazerem mudanças na rotina alimentar de seus filhos. É provável que você demore um pouco para conseguir desfazer um hábito indesejável, mas é perfeitamente possível colocar as coisas nos eixos fazendo mudanças graduais, focando em uma coisa de cada vez.

Você conhece alguém insatisfeito com a alimentação do filho? O primeiro passo para começar a mudar hábitos alimentares é ter acesso a informação relevante. Se você está gostando desta série de posts e acha que o conteúdo dos textos pode interessar a outras pessoas, compartilhe-os em suas redes sociais! Pretendo trazer mais ideias da terapeuta Alisha Grogan para o Eco Maternidade, inclusive dicas de atividades sensoriais para serem feitas com crianças que apresentam seletividade alimentar.

Outros posts da série O que (não) fazer para seu filho comer bem:
PARTE 1: Abandone as papinhas o quanto antes
PARTE 2: Não desista do cadeirão cedo demais
PARTE 3: Evite os lanchinhos a toda hora
PARTE 4: Brinquedos não combinam com a refeição